Responsável

Profa. Dra. Luciana Zaterka – CCNH/UFABC

Local

Auditório da Faculdade de Estudos Sociais, Setor Norte da UFAM

Público-Alvo

Todos os públicos

Descrição

Os conceitos de empirismo e racionalismo evocam tanto uma tradição histórica quanto uma rede de questões filosóficas. Do ponto de vista histórico é comum encontrarmos estudos de História e Filosofia da Ciência que relacionam o conceito de ‘empirismo’ com a chamada Escola Empírica Médica, desenvolvida na Grécia Antiga (século III a.C.). Porém temos que ter cautela com essas simplificações históricas. Veremos que vincular o empirismo moderno à escola médica antiga acarreta numa compreensão histórica equivocada que leva a desdobramentos reducionistas importantes, tais como aceitar acriticamente a dicotomia empirismo x racionalismo como a única narrativa possível para a compreensão da gênese da filosofia moderna. Dos vários problemas que surgem dessa perspectiva historiográfica, dois deles nos importam mais de perto: ela fornece uma ênfase às questões de cunho epistemológico, subestimando, então, a importância dos debates em outras áreas, como filosofia natural, ética e política, por exemplo; e deixa de lado pensadores que combinam elementos das duas correntes e, portanto, não operam stricto sensu com a dicotomia entre razão e experiência. Nesse sentido, objetivamos problematizar a historiografia da história da ciência clássica e reintroduzir, de fato, as ciências químicas, biológicas e experimentais como fundamentais e constituintes da chamada revolução científica do século XVII.

Horário

Dia 16/10/2018 das 16:00-18:00h